São Pio de Pietrelcina

“Quanto a mim, Deus me livre de me gloriar, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo” (Gl 6,14).

Como o apóstolo Paulo, o Padre Pio de Pietrelcina colocou, no ápice da sua vida e apostolado, a Cruz do seu Senhor como sua força, sabedoria e glória. Dominado pelo amor a Jesus Cristo, ele se formou consigo mesmo, sacrificando-se pela salvação do mundo. Ele foi tão generoso e perfeito em seguir e imitar Cristo Crucificado, que poderia ter dito: “Estou crucificado com Cristo; já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim ”(Gl 2,19). E os tesouros da graça que Deus lhe deu com abundância singular, ele dispensou incessantemente o seu ministério, servindo aos homens e mulheres que vinham a ele em número cada vez maior e gerando uma multidão de filhos e filhas espirituais.

A vocação

Este digno seguidor de São Francisco de Assis nasceu em 25 de maio de 1887 em Pietrelcina, na arquidiocese de Benevento, filho de Grazio Forgione e Maria Giuseppa de Nunzio. Foi batizado no dia seguinte, recebendo o nome de Francisco. Ele recebeu o Sacramento da Confirmação e da Primeira Comunhão quando tinha 12 anos.

 Ele foi visto por um menino retraído porque raramente brincava com outras pessoas. Quando questionado sobre explicações a este respeito, respondeu que “blasfemaram”. Os seus silêncios corresponderam a meditações precoces mas profundas, a momentos de oração intercalados com a prática de austeridades que apontavam já para a vocação que desde os 5 anos claramente percebia: ser capuchinho.

Aos 16 anos, no dia 6 de janeiro de 1903, entrou no noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, em Morcone, tendo-se vestido com o hábito franciscano no dia 22 do mesmo mês, e foi chamado Frei Pio. noviciado, fez a profissão dos votos simples e, a 27 de janeiro de 1907, os votos solenes.

Depois da Ordenação Sacerdotal, recebida a 10 de agosto de 1910 em Benevento, teve de ficar com a família até 1916, por motivos de saúde. Em setembro daquele ano de 1916, foi enviado para o convento de Santa Maria das Graças, localizado em São Giovanni Rotondo, onde permaneceu até sua morte. Foi uma alegria para ele poder dedicar-se à vida comunitária e seguir a regra capuchinha.

O dia 25 de maio de 1917 merece menção especial em sua longa e santa vida. Ele tinha 30 anos. Enquanto orava no coro da igreja, ele foi agraciado com os estigmas da crucificação de Jesus, que permaneceram nele por mais de 50 anos.

No convento, começou como diretor espiritual e mestre dos noviços. Além disso, confessou os habitantes da aldeia que frequentavam a igreja do convento. Foram estes que, pouco a pouco, notaram as características especiais do novo sacerdote: as suas missas por vezes duravam três horas, porque muitas vezes entrava em êxtase, e os conselhos que dava no confessionário revelavam alguém que “lia as almas”.

Certa vez, chegou uma jovem de Florença, muito perturbada, pois um parente próximo teve a infelicidade de cometer suicídio se atirando no rio Arno. Já tinha ouvido falar do padre de San Giovanni, e depois da missa foi à sacristia para falar com ele. Só ele viu a garota, completamente desconhecida para ele, e disse docemente:

– Da ponte ao rio demoram alguns segundos … A jovem, surpreendida e chorando, só pôde responder: – Obrigada, padre.

Fatos maravilhosos como esse se repetiam todos os dias. Os incrédulos chegaram e partiram com pesar por sua falta de fé. Pessoas desesperadas recuperaram sua confiança e paz de espírito. Os enfermos voltaram para casa curados.

A companhia do Anjo da Guarda

Um traço revelador do seu contacto privilegiado com o mundo sobrenatural é a relação estreita que manteve ao longo da vida com o seu Anjo da Guarda, a quem chamou de “o amigo da minha infância”. Ele era seu melhor confidente e conselheiro. Quando ainda era menino, um de seus professores decidiu testar a veracidade dessa magnífica intimidade. Para tanto, escreveu várias cartas em francês e grego, línguas que pe. Pio não sabia na época. Ao receber as respostas, ele exclamou espantado:

– Como você pode saber o conteúdo, se do grego você nem sabe o alfabeto?

– Meu anjo da guarda explica tudo para mim.

Graças a um amigo assim, junto com a ajuda sobrenatural de Jesus e de Maria, o Santo soube guardar sua alma nos inúmeros sofrimentos físicos e morais que nunca lhe faltaram.

 O amor as almas

Dominado pelo amor a Deus e ao próximo, Padre Pio viveu plenamente a vocação de contribuir para a redenção do homem, segundo a missão especial que caracterizou toda a sua vida e que cumpriu com a direção espiritual dos fiéis, a reconciliação sacramental do penitente e da celebração da Eucaristia. O momento culminante de sua atividade apostólica foi quando celebrou a Santa Missa. Os fiéis, que dela participaram, sentiram o ponto culminante e a plenitude de sua espiritualidade.

No campo da caridade social, esforçou-se por aliviar os sofrimentos e misérias de tantas famílias, especialmente com a fundação da «Casa Sollievo della Sofferenza» (Casa de Socorro ao Sofrimento), inaugurada em 5 de maio de 1956.

Para o Padre Pio, fé era vida: tudo desejava e tudo fazia à luz da fé. Ele diligentemente se envolveu em oração. Ele passou o dia e grande parte da noite conversando com Deus. Disse: «Nos livros, procuramos Deus; na oração, nós O encontramos. A oração é a chave que abre o coração de Deus ». A fé o levou a aceitar sempre a misteriosa vontade de Deus.

Ele viveu imerso em realidades sobrenaturais. Ele não só era um homem de esperança e total confiança em Deus, mas com palavras e exemplo infundia essas virtudes em todos os que se aproximavam dele. O amor de Deus o inundou, saciando todos os seus anseios; a caridade era o princípio inspirador de sua época: amar a Deus e fazê-lo amar. Sua preocupação particular: crescer e crescer na caridade.

Expressão máxima da sua caridade para com o próximo, podemos constatá-la no acolhimento que proporcionou, durante mais de 50 anos, às inúmeras pessoas que vieram ao seu ministério e confessionário, aos seus conselhos e conforto. Parecia um assédio: procuravam-no na igreja, na sacristia, no convento. E ele se prestou a todos, reavivando a fé, difundindo graça, iluminando. Mas, especialmente nos pobres, aflitos e enfermos, ele viu a imagem de Cristo e se entregou a eles de maneira especial.

Ele exerceu a virtude da prudência de maneira exemplar; ele agiu e aconselhou à luz de Deus.

Seu interesse era a glória de Deus e o bem das almas. Ele tratou a todos com justiça, lealdade e grande respeito. Nele brilhava a virtude da fortaleza. Desde muito cedo compreendeu que o seu caminho seria o da Cruz, e logo o aceitou com coragem e amor. Por muitos anos, ele experimentou os sofrimentos da alma. Ao longo de vários anos, ele suportou, com admirável serenidade, as dores de suas feridas.

Um grande confessor

Quando o P. Pio cantou a sua primeira missa solene, o seu antigo professor, pe. Por isso, desejo que sejas um grande confessor ”.

Décadas depois, alguém lhe perguntou que missão havia recebido de Nosso Senhor Jesus Cristo, e o santo capuchinho respondeu simplesmente: “Eu? Sou confessor ”.

Os prodigiosos dons místicos que recebera da Providência eram apenas um gancho através do qual ele arrastava as almas para se purificarem dos seus pecados no sacramento da Reconciliação. Ele ficava até 15 horas por dia no confessionário.

Pessoas de todas as idades e condições sociais, incluindo bispos e padres, ajoelharam-se a seus pés em busca de absolvição, conselho e paz de espírito. As linhas de confissão eram enormes, a ponto de ser necessário distribuir senhas numeradas para solicitar o serviço.

Ele leu nas almas como em um livro aberto. Um dia, um comerciante pediu-lhe para curar uma filha muito doente e recebeu a seguinte resposta:

– Você está muito mais doente do que sua filha. Eu vejo você morto. Como você pode se sentir bem com tantos pecados em sua consciência? Eu vejo pelo menos trinta e dois …

Surpreso, o homem respondeu prontamente à graça recebida: ajoelhou-se para confessar. Ao terminar, disse a todos que o quiseram ouvir: “Ele sabia de tudo e me contou tudo!”

Em outra ocasião, um advogado genovês, ateu militante, decidiu ir a San Giovanni Rotondo para “desmascarar aquela fraude dos frades”. Assim que entrou na sacristia com os peregrinos, pe. Pio, que nunca o tinha visto antes, o desafiou, denunciando suas más intenções. Então, sem mais palavras, o confessionário apontou para ele.

Diante do espanto geral, o advogado se ajoelhou, abriu o coração e, com a ajuda do Santo, examinou toda a sua vida passada, dos pecados e da luta contra a Santa Igreja. Quando ele se levantou, ele era outro homem. Ficou três dias no convento, degustando a inocência reconquistada, antes de retornar à sua cidade natal. A notícia dessa conversão foi tema de manchetes na imprensa. Pouco depois, ele voltou a San Giovanni para receber o escapulário da Ordem Terceira Franciscana de pe. Pio.

Amor ao sofrimento

Quando seu serviço sacerdotal estava sob investigação, ele sofreu muito, mas aceitou tudo com profunda humildade e resignação. Diante de acusações injustificadas e calúnias, ele se calou, sempre confiando no julgamento de Deus, de seus superiores diretos e de sua própria consciência.

Costumava recorrer à mortificação para alcançar a virtude da temperança, segundo o estilo franciscano. Era temperado na mentalidade e no modo de vida.

Consciente dos compromissos assumidos com a vida consagrada, observou com generosidade os votos professos. Ele obedecia em tudo às ordens de seus superiores, mesmo quando eram sérias. Sua obediência era sobrenatural em intenção, universal em extensão e integral em cumprimento. Ele exerceu o espírito de pobreza, com total desapego de si mesmo, dos bens terrenos, amenidades e honras. Ele sempre teve uma grande predileção pela virtude da castidade. Seu comportamento era, em todos os lugares e para com todos, modesto.

Ele se considerava sinceramente inútil, indigno dos dons de Deus, cheio de misérias e ao mesmo tempo de graças divinas. Em meio a tanta admiração pelo mundo, repetiu: “Quero ser apenas um pobre frade que reza”.

Desde sua juventude, sua saúde não tem sido muito boa e, especialmente nos últimos anos de sua vida, ele piorou rapidamente.

Minha mãe, você sai e me deixa doente!?. . .

As doenças do P. Pio deixaram desconcertados todos os médicos que o trataram. Com menos de 30 anos, foi examinado por um especialista em doenças pulmonares que previu algumas semanas de vida … e viveu ainda mais de meio século. Seus estigmas sangraram diariamente por mais de cinquenta anos, sem cicatrizar ou causar qualquer infecção.

Em 25 de abril de 1959, os médicos diagnosticaram-no com broncopneumonia complicada por pleurisia, que o obrigou a descansar completamente. Ele sofreu com isso, por ser privado de exercer seu ministério para o bem das almas.

Nesse mesmo dia, a imagem de Nossa Senhora de Fátima chegou à Itália. Em San Giovanni Rotondo, foi recebida pelo Arcebispo e por todo o clero da região, junto com uma multidão de fiéis.

O P. Pio disse-lhes: “Abramos o nosso coração à confiança e à esperança. Nossa Senhora vem com as mãos cheias de graças e bênçãos. Devemos amar a nossa Mãe celeste com perseverança, e Ela não nos abandonará na dor quando partir ”.

Movendo-se em uma cadeira de rodas, o Santo conseguiu sacudir os pés da imagem sagrada e colocar um Rosário nas mãos. Naquela tarde, ela partiu de helicóptero do terraço do hospital com destino à Sicília, dando três voltas ao redor do convento para uma bênção final à multidão reunida na praça.

Postado em uma janela, pe. Pio olhou tudo e, sem se conter, exclamou:

– Senhora! Minha Mãe, estou doente desde o dia em que você chegou na Itália … Você sai agora e me deixa assim !? – No mesmo momento sentiu um “arrepio nos ossos” e disse aos irmãos presentes:

– Estou curado! – E foi. No dia 10 de agosto, ele pôde celebrar a missa novamente, e declarou: “Estou saudável e forte como nunca antes em minha vida”.

No final, glorificação

A irmã morte o levou, preparado e sereno, em 23 de setembro de 1968; ele tinha 81 anos. Seu funeral foi caracterizado por um afluxo de pessoas absolutamente extraordinário.

Em 20 de fevereiro de 1971, apenas três anos após a morte de Padre Pio, Paulo VI, dirigindo-se aos Superiores da Ordem dos Capuchinhos, disse dele: “Vejam a fama que ele alcançou, quantos devotos de todo o mundo vêm ao seu redor ! Mas por que? Por talvez ser um filósofo? Por ser um homem sábio? Por que ter tantos recursos à sua disposição? Não! Porque celebrei a missa com humildade, confessei de manhã à noite e foi – como dizer ?! – a imagem impressa dos estigmas de Nosso Senhor. Ele era um homem de oração e de sofrimento ».

Já durante a sua vida gozou de grande fama de santidade, pelas suas virtudes, pelo seu espírito de oração, sacrifício e dedicação total pelo bem das almas.

Nos anos que se seguiram à sua morte, a fama de santidade e milagres cresceu cada vez mais, tornando-se um fenômeno eclesial, espalhado por todo o mundo e em todas as categorias de pessoas.

Assim, Deus manifestou à Igreja a vontade de glorificar seu fiel Servo na terra. Pouco depois, a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos deu os passos previstos no direito canônico para iniciar a Causa de beatificação e canonização. Depois de tudo ser examinado, como dita o Motu proprio “Sanctitas Clarior”, a Santa Sé concedeu o nihil obstat no dia 29 de novembro de 1982. O Arcebispo de Manfredónia pôde proceder à introdução da Causa e à celebração do processo de investigação ( 1983 – dezenove noventa).Em 7 de dezembro de 1990, a Congregação para as Causas dos Santos reconheceu sua validade jurídica. Depois da Positio, discutiu-se, como sempre, se o Servo de Deus havia exercido as virtudes em grau heroico. Em 13 de junho de 1997 foi realizado o Peculiar Congresso de Consultores Teológicos, com resultado positivo. Na Sessão Ordinária de 21 de outubro seguinte, com o Ponente da Causa o Exmo. e Rt. Dom Andrea Maria Erba, bispo de Velletri-Segni, os Cardeais e Bispos reconheceram que o Padre Pio de Pietrelcina exerceu as virtudes teológicas, cardeais e vinculadas a um grau heroico.

Em 18 de dezembro de 1997, na presença do Papa João Paulo II, foi promulgado o Decreto sobre as virtudes heroicas. Para a beatificação do Padre Pio, a Postulação apresentou ao serviço competente a cura da senhora Consiglia de Martino, de Salerno. O processo canônico regular foi realizado sobre o caso no Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Salerno-Campanha-Acerno, de julho de 1996 a junho de 1997. Na Congregação para as Causas dos Santos, em 30 de abril de 1998, o exame da Consulta Médica e, em 22 de junho do mesmo ano, o Peculiar Congresso de Consultores Teológicos. Em 20 de outubro, a Congregação Ordinária de Cardeais e Bispos, membros do Departamento, se reuniu no Vaticano, e em 21 de dezembro de 1998, o Decreto sobre o Milagre foi promulgado na presença do Papa João Paulo II. .

Em 2 de maio de 1999, durante uma solene celebração eucarística na Praça de São Pedro, Sua Santidade João Paulo II, com sua autoridade apostólica, declarou beato o Venerável Servo de Deus Pio de Pietrelcina, estabelecendo em 23 de setembro a data de sua festa litúrgica .

Para a canonização do Beato Pio de Pietrelcina, a Postulação apresentou ao Departamento competente a restauração do pequeno Matteo Pio Collela de San Giovanni Rotondo. Sobre este caso, foi preparado um processo canônico no Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Manfredonia-Vieste, que vai de 11 de junho a 17 de outubro de 2000. Em 23 de outubro de 2000, a documentação foi entregue à Congregação para as Causas dos Santos . Em 22 de novembro de 2001, foi aprovado o exame de Consulta Médica na Congregação para as Causas dos Santos. Em 11 de dezembro de 2001, foi julgado pelo Peculiar Congresso de Consultores Teológicos e, no dia 18 do mesmo mês, pela Sessão Ordinária de Cardeais e Bispos. Em 20 de dezembro, na presença do Papa João Paulo II, foi promulgado o Decreto sobre o milagre; em 26 de fevereiro de 2002 foi publicado o Decreto sobre sua canonização.

Bem-vindo de volta!

Faça login em sua conta abaixo

Criar Nova Conta!

Preencha os formulários para se inscrever

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Adicionar nova Playlist